O pinheiro de Natal e a salvaguarda da floresta na Herdade da Contenda

O pinheiro de Natal e a salvaguarda da floresta na Herdade da Contenda 1733 1154 Herdade da Contenda

De origens pagãs dos povos do Centro da Europa, a utilização do pinheiro foi inicialmente associada ao solstício de inverno, momento em que as famílias se deslocavam à floresta para cortar os pinheiros que levavam para enfeitar nas suas casas. Mais recentemente foi adotado como uma tradição de Natal.

À semelhança de anos anteriores, o Município de Moura entregou ao comércio local e coletividades do concelho vários pinheiros de Natal (pinheiro-bravo) provenientes da Herdade da Contenda. Num momento em que as questões de salvaguarda do ambiente e da floresta encontram cada vez eco na sociedade, como se pode enquadrar esta tradição do pinheiro de Natal (o verdadeiro e não o de plástico)?

A resposta está precisamente na defesa da floresta. De forma a criar as condições necessárias para a salvaguarda da floresta contra os incêndios, é necessário criar zonas de descontinuidade de combustível entre povoamentos florestais.

Na Herdade da Contenda, o aceiro fronteiriço é uma dessas faixas de gestão, sendo essencial reduzir a densidade de árvores nessa zona e, concretamente, de pinheiros-bravos, sendo essa uma das funções da equipa de sapadores florestais do concelho de Moura (SF04-184).

O Programa de Sapadores Florestais é coordenado pelo ICNF e financiado pelo Fundo Florestal Permanente. A Herdade da Contenda deseja Boas Festas a todos os colaboradores e amigos.